Portrait of driver smiling

Por Francisco Galiza*

No final do ano passado, foi divulgado um estudo bem interessante “This just in: consumers are now much more comfortable with sharing driving data”, avaliando a disposição que os motoristas nos EUA têm em compartilhar os seus dados, visando então pagar um seguro mais apropriado ao seu risco. Ao todo, cinco critérios são avaliados: forma de direção, quantidade de quilômetros, horário da direção, onde o veículo está e a velocidade média.

A conclusão principal do texto é que, com a pandemia, essa tendência hoje é muito maior. Ou seja, com a crise econômica, a busca por redução de preços, e sem falar que muitos veículos estão nas garagens. Todo segurado quer pagar o que é justo e nem um centavo a mais. Por exemplo, ao final de 2019, no estudo citado vemos que 38% dos motoristas estavam dispostos a divulgar informações sobre a quilometragem dirigida. Hoje, esse número passaria para 55%.

Essa é uma tendência que está crescendo no mundo e o Brasil não é uma exceção. Um exemplo bastante comum é o produto do tipo “UBI – Usage Based Insurance”. Ou seja, traduzindo, o seguro baseado no uso. O preço do seguro seria função somente da quilometragem usada. Seria instalado um mecanismo nos veículos para tal fim. Quem usa mais, paga mais, e vice-versa.

Aqui, também em pesquisa recente realizada pela Liberty Seguros, vemos que esse conceito já é conhecido para 73% dos entrevistados. Destes, 47% dizem gostar do serviço pela possibilidade de ter um preço mais justo e 36% gostam da ideia de ter um seguro personalizado. A tecnologia já permite todas essas possibilidades.

Nesse caso, o produto se encaixa perfeitamente para aqueles clientes que não utilizam seus carros com tanta frequência e buscam um valor mais acessível, mas sem abrir mão de coberturas completas. O interesse é óbvio, o cliente acaba pagando menos do que o seguro comum.

Enfim, são tendências crescentes que, daqui a alguns anos, serão bastante comuns em nossa sociedade, podemos esperar. O corretor de seguros precisará estar preparado e oferecer todas essas possibilidades para seus clientes.

*Francisco Galiza é sócio da empresa Rating de Seguros Consultoria (www.ratingdeseguros.com.br), mestre em Economia (FGV), membro da ANSP (Academia Nacional de Seguros e Previdência) e professor do MBA-Seguro e Resseguro (Funenseg).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva o seu comentário.
Por favor, insira o seu nome

O seu comentário será publicação após moderação.