Dicas em seguro de Auto

66

Por Francisco Galiza*

Fazer seguro não é algo simples. Há diversos detalhes que podem escapar ao consumidor. Daí a presença do corretor, e sua importância na realização dos negócios. Entretanto, na internet, não é prejudicial que existam referências, com dicas sobre o que de fato acontece ou não no seguro. Esse material serve como orientação inicial ao grande público, não substituindo, ressalte-se, a presença de um corretor de seguros em toda a operação.

O endereço “Insurance Information Institute” é a principal referência de estudos econômicos de seguros nos EUA. Nele, por exemplo, tem um texto específico, com diversas dicas, de como diminuir o custo de seguro em automóvel [1]. Segundo o site, esse é um dos artigos mais consultado pelos consumidores. Por exemplo, comprar mais de um seguro na companhia seguradora e, a partir daí, tentar uma redução de preço, ou manter um bom crédito na praça. Nesses casos, o cliente pode ter vantagens por ser mais confiável.

No Brasil, também existem referências [2] [3], e o que o consumidor pode ou deve fazer para comprar um seguro mais eficiente. Muitas vezes, essas informações vêm de corretoras que querem prestar um serviço adicional ao seu cliente, além de atrair novos clientes pela internet. São cuidados, e o que é verdade ou não na compra de um seguro. Por exemplo, o seguro de automóvel cobre os bens deixados no interior do mesmo?; O seguro é mais barato para as mulheres?; O valor do seguro pode mudar de um ano para outro? Como aproveitar o seu bônus? Cuidado com os veículos de maior risco, etc, etc.

Revistas de economia também já abordaram esse problema [4]. Por exemplo, dentre as perguntas já existentes: Carros guardados na garagem pagam menos seguro?; Equipamentos de segurança reduzem o preço do seguro?; O valor da franquia é uma decisão estratégica para o consumidor?; Qual o risco de mentir para as seguradoras?; etc, etc. São todas dicas e perguntas úteis que o consumidor deve fazer, na hora de realizar um seguro.

Enfim, a recomendação aqui é que o segurado faça uma consulta, antes de realizar um seguro, até para aproveitar ao máximo a realização do seguro ou mesmo otimizar a conversa com o seu corretor.

*Francisco Galiza é sócio da empresa Rating de Seguros Consultoria (www.ratingdeseguros.com.br), mestre em Economia (FGV), membro da ANSP (Academia Nacional de Seguros e Previdência) e professor do MBA-Seguro e Resseguro (Funenseg).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva o seu comentário.
Por favor, insira o seu nome

O seu comentário será publicação após moderação.