Dia Mundial do Empreendedorismo Feminino: o potencial das mulheres no mercado corretor

Em 19 de novembro é comemorado o Dia Mundial do Empreendedorismo Feminino, homenagem às mulheres que enfrentam o desafio de começar o próprio negócio. Uma data que adoramos celebrar. Afinal o empreendedorismo feminino é uma causa da Liberty, razão pela qual criamos há dois anos o portal Mulheres Seguras, com dicas e histórias inspiradoras para esse público.

Já compartilhamos por lá histórias de mulheres que se aventuraram em novos mercados e que abriram negócios em áreas em que os homens ainda são grande maioria, e o mercado de corretoras é um exemplo disso. Mas aos poucos, profissionais de todo o Brasil estão virando esse jogo. A Leila Kasprzak apostou no ramo dos seguros para construção civil, e precisou provar sua competência para conquistar a confiança de clientes de um setor que ainda tem pouca presença feminina.  Hoje ela comanda a KGB Seguros, história que contamos  no Mulheres Seguras.

Se você é mulher e trabalha com corretagem, vive os mesmos desafios de Leila. Afinal, o dia a dia de quem vende seguros exige bastante autonomia e disciplina, características do empreendedorismo.  E pesquisas comprovam que elas têm se destacado nesses quesitos no mercado de seguros. O 2º estudo Mulheres no Mercado de Seguros no Brasil, realizado pela Escola Nacional de Seguros, observou que o perfil feminino tem mais facilidade no que diz respeito à capacidade de desenvolver relacionamentos com os clientes no longo prazo, melhorando a retenção. O estudo também mostra que cada vez mais mulheres estão entrando no setor, mesmo que em cargos mais baixos: em 2015, 56,3% do total de funcionários de seguradoras eram mulheres. Em cargos de gerência e executivos, elas ocupam 39% e 28% dos espaços, respectivamente.

Abrir a própria corretora: uma oportunidade

Dados como esses comprovam que abrir a própria corretora pode ser um ótimo investimento para mulheres que têm vontade de empreender, especialmente se já possui  experiência na área, seja trabalhando em uma corretora ou como autônoma. Trata-se de  um ramo bastante promissor, como mostrou o especialista Francisco Galiza recentemente aqui no Conexão Liberty, ao compartilhar um estudo que afirma que 94% das empresas brasileiras entrevistadas consideram que o trabalho do corretor é visto como indispensável na venda de seguro pelo consumidor.

Se você pretende crescer nesse ramo, aproveite o mês do empreendedorismo feminino para pensar no futuro. Lembre-se que para abrir uma corretora existem algumas exigências legais: o Certificado de Habilitação Profissional em Instituição oficial ou autorizada, o registro na SUSEP (Superintendência de Seguros Privados) e o contrato social da empresa. Para mais detalhes, visite o site do SEBRAE aqui.

Além disso, fique sempre atualizada com dicas sobre empreendedorismo acessando o Mulheres Seguras e mantendo-se atenta aos próximos eventos do portal em sua cidade. Em novembro, realizaremos workshops em Porto Alegre e Campinas. Confira as próximas datas no Meu Espaço Corretor.

plugins premium WordPress
Rolar para cima